Friday, June 29, 2007

asn - hoje

A ver se alguém me reconhece...
Referências que podem ajudar:
Bobine anterior a 1983: Escola Secundária Domingos Sequeira - Leiria - 1981/82(professor); Escola Secundária Marinha Grande - 1980/81(professor); SAM (alf.mil.-cons.administrativo) - Batalhão Engenharia 2 - Nampula - 1969/71; Escola Secundária Nampula - 1970/71(professor); Escola Industrial e Comercial de Leiria - 1966/68(professor); ICP 1964/66 (2º turma Peritos Contabilistas); Escola Industrial e Comercial Emídio Navarro - Viseu - 1957/64; Escola Primária da Avenida - Viseu - 1955/1957; Escola Primária Gumiei-Ribafeita-Viseu - 1954/55.
Esta bobine contém muitas outras cenas...seria fastidioso enumerá-las.
asn - antoniosantosnunes

DECÁLOGO de BOAS MANEIRAS

A Câmara Municipal de Leiria está empenhada numa campanha de sensibilização do público em geral, tendo em vista a divulgação do
‘decálogo’ de boas práticas comportamentais":
Na minha cidade contribuo para a limpeza das ruas, usando os lavabos públicos e dos estabelecimentos comerciais;
Na minha cidade estaciono correctamente as viaturas, respeito as zonas pedonais, as passadeiras dos peões e os acessos às garagens;
Na minha cidade respeito o mobiliário urbano, preservando aquilo que é de todos;
Na minha cidade respeito o descanso nocturno, mantendo o silêncio na via pública;
Na minha cidade protejo os parques, jardins e canteiros, respeitando todas as espécies arbóreas;
Na minha cidade mantenho as paredes limpas, livres de pinturas, grafitis ou cartazes;
Na minha cidade uso os locais apropriados para praticar os meus desportos favoritos;
Na minha cidade deposito correctamente os resíduos e separo devidamente os materiais;
Na minha cidade, quando levo o cão ou outros animais à rua, recolho os resíduos do chão;
10· Quando vou à praia, não levo o cão ou outros animais e deixo o areal tão limpo como quando o encontrei, sem lixo nem pontas de cigarros.
-
Pois...Parece impossível que ainda tenhamos que empenhar meios financeiros e despender energias suplementares para lembrar este "decálogo" com noções básicas de boas maneiras para as pessoas conviverem...
Até me faz recordar o célebre "Decálogo do Radioamador", muito divulgado nos anos 50!...

Thursday, June 28, 2007

Magnólia grandiflora - Cortes - Leiria



A localidade das Cortes tem uma história muito rica e entrelaçada com factos e personalidades de alto relevo, não só na vida de Leiria, mas também de repercussão nacional (Afonso Lopes Vieira, João Soares (pai de Mário Soares), Casa-Museu do mesmo nome e outros).Nesta oportunidade estou a cingir-me às árvores típicas desta localidade, monumentais, bem se pode dizer. Aquela que agora se mostra é uma magnólia grandiflora com as suas belas e alvas flores tão características. Esta árvore encontra-se no mesmo pátio da pimenteira bastarda do post anterior.
-
"O gosto pela floricultura tem-se desenvolvido muito; mas para progredir, é necessário saber o verdadeiro nome das plantas. A colocação das etiquetas nas plantas dos jardins públicos são lições práticas de botânica e o melhor método para vulgarizar os seus nomes.» (Jornal de Horticultura Prática, Vol. XIII, Abril 1882, p. 79)". Refª recolhida do dias-com-arvores
Estas lições práticas são sempre actuais. Não nos podemos esquecer que muitos de nós não temos os conhecimentos básicos de botânica para poder identificar sem ajuda, uma planta vulgar, muito menos plantas e árvores exóticas colocadas em jardins e outras zonas públicas. O problema é que, por mais que se insista, parece que é uma operação complicadíssima colocar estas placas. Porque será? Não há botânicos disponíveis? Não há dinheiro?
Claro que esta observação é extensiva a variadíssimos jardins da zona de Leiria. Por exemplo: Jardim Luís de Camões (cidade); Jardim do Solar do Visconde da Barreira (uma preciosidade parece que escondida); as variadíssimas árvores plantadas nos passeios e separadores das ruas e avenidas de Leiria e tantos outros casos.
Posted by Picasa

Tuesday, June 26, 2007

Árvores monumentais - Pimenteira

Esta pimenteira bastarda encontra-se na localidade de Cortes, em Leiria.

É muito idosa e dizem os antigos que, àcerca e à volta desta árvore, muitas histórias se podem contar. Vamos lá a ver se consigo que alguém se disponha a puxar o fio à meada!...Apresentei-a há um ano, aqui neste blogue. Nessa altura nem sequer sabia o seu nome.
Existem vários exemplares deste tipo de árvore nos jardins, rotundas, largos e ruas de Leiria.
Há dias fotografei uma outra, também já com bastantes anos, no Jardim Luís de Camões. Esta, para além da floração já tem frutos, vermelhos, como se fossem bagas de pimenta.

Posted by Picasa

Monday, June 25, 2007

Hoje, ao começo da tarde, no Largo da Sé, Leiria. Uma viatura da Câmara, em serviço. A pessoa que está sentada num banco público era suposto estar à sombra duma jacarandá. O lugar dessa árvore é bem visível no chão. Ninguém da responsabilidade das áreas verdes da cidade se incomodou que ela tivesse vingado ou não.
Só mais um reparozito: será que é verdade que vão colocar, no meio do Largo da Sé, um painel fixo de publicidade? Mesmo que seja para efeitos de informação turística não se consegue perceber como é que alguém se terá lembrado de tal diatribe. No meio do Largo da Sé? Mesmo ao pé dos pinos de separação da zona pedonal e da zona de circulação automóvel condicionada(?!).
Ele há coisas que não lembra ao diabo.
Posted by Picasa

Presidência Portuguesa na UE







Já está disponível o sítio da presidência portuguesa da União Europeia (UE), que vai decorrer entre 1 de Julho e 31 de Dezembro de 2007.

Saturday, June 23, 2007

Dispersamente...


Castelos de Leiria

Com o avanço destas silvas!...nunca se sabe!...
Posted by Picasa

Num quintal...Barreira - Leiria

A flor de agapanto a abrir...
As uvas, aí vêem elas...
O ciclo da Vida a renovar-se...
Posted by Picasa

Friday, June 22, 2007

Mobilidade?!


Coincidências e contradições...
Parei, hoje de manhã, para tirar uma fotografia ao Rio Lis, de cima da ponte Dr. Francisco Sá Carneiro, no limite das freguesias de Leiria e dos Marrazes.
Deparei com estas duas situações!...
Valerá a pena acrescentar algo mais, mesmo não tendo a certeza de que o deficiente motor da foto poderia ultrapassar o obstáculo, bem visível? Não lhe ofereci ajuda porque me apercebi que um moço que por ali passava em fato de treino já o tinha abordado e, pelo que depreendi, a situação estava sob controlo. Talvez a força do hábito de aguentar as adversidades da vida!?...
Posted by Picasa

Tuesday, June 19, 2007

Pharmácia Paiva - Leiria


(clic para ampliar)
(Continuação da entrada anterior):
TEXTO ACTUALIZADO em 21/6/2007:
Sequência das fotos, de cima para baixo e da esquerda para a direita:
1- Fachada da Pharmácia Leonardo Paiva, virada a Nascente;
2- Hipócrates (a)
3- Galeno
4- Um dos anjos que seguram uma faixa, que segue duma extremidade à outra do painel de azulejos
-
Após algumas investigações complementares, penso que se poderá conciliar o texto da placa informativa, instalada ao início da escadaria central para o Adro da Sé e as figurações da fachada do edifício "Pharmácia Paiva", como segue:
A figura que sustenta nas mãos um documento em que se pode ler nitidamente o nome de "Sócrates" será Galeno e não o próprio Sócrates, como talvez erradamente tem vindo a ser popularmente divulgado, sem que as autoridades administrativas e culturais de Leiria tenham feito grande esforço em esclarecer.
É sabido que Galeno foi médico particular, entre outros, do imperador romano Marco Aurélio, que escreveu comentários sobre Hipócrates e que teve uma actuação de excepcional mérito no campo da medicina e da anatomia do corpo humano. (mais). Note-se, também, em abono desta teoria, o realce dado pelo pintor dos azulejos, ao colocar, em segundo plano - mas com a intenção nítida de lhe dar visibilidade e significado - a figura dum soldado/general da Roma antiga.
Outro pormenor importante a ter em conta é que Galeno começou por ser um grande estudioso da Filosofia. Daí, provavelmente, ser representado na fachada a estudar uma obra em que se fala de Sócrates.
-
A fachada em azulejos foi colocada por encomenda para identificar especificamente uma "pharmácia". Consequentemente seria natural que os motivos das suas figuras estivessem relacionados com os temas farmácia e medicina e não se descortinam razões ponderosas para se destacar "Sócrates" em pessoa. Além do mais, também não se vê onde esteja a lógica de o próprio Sócrates estar a ler um documento (escrito numa tábua?) com o seu nome, em jeito de auto-identificação, até porque se sabe que o grande filósofo não escreveu, ele próprio, os seus pensamentos, antes preferindo divulgá-los através do discurso directo, profundo e cortante, em vários fóruns públicos, dirigidos não só à elite dominante como directamente ao Povo. Disso se encarregaram os seus seguidores e igualmente reconhecidos filósofos da Antiguidade, como Platão e Xenofonte;
A outra figura, que se aceita aludir a Hipócrates também pode representar o próprio Esculápio(a), apresentado pela civilização Grega, como filho do deus Apolo e o primeiro investigador e com capacidades para curar as doenças do Homem. Dado que Hipócrates lhe seguiu as pisadas e iniciou, com grande reconhecimento, uma escola no âmbito do estudo das doenças e das curas, é natural que o seu nome e obra tenha ficado para a posteridade como uma referência incontornável, o que de facto aconteceu.
-
--------------
Texto correspondente à versão popular/vernacular
Esta farmácia, actualmente desactivada, foi a primeira a ser instalada em Leiria. A sua fundação remonta aos finais do séc. XIX e a sua história confunde-se com a história da família Paiva. Constitui, sem dúvida, um dos emblemas mais carismáticos da cidade de Leiria.
A sua fachada é de grande beleza artística e revestida a azulejos "viúva lamego" como já é consensual entre os estudiosos da matéria. Este tema já foi tratado neste blogue noutras oportunidades pelo que tenho que me abster de voltar ao assunto na generalidade(*). No entanto não se deve deixar de referir um aspecto que poderá ser de interesse para quem, como eu, gostaria de precisar a razão de se aludir a "Galeno" na placa informativa colocada no início da escadaria de acesso ao Adro da Sé, tal como se mostra na entrada anterior (ampliando-se, lê-se o texto com nitidez). A própria família, do ramo de Adolfo de Sampaio Telles e Paiva - filho de Jozé de Paiva Cardoso (sepultado no jazigo-capela «nº 58T4» do cemitério de Santo António do Carrascal), de quem herdou a pharmácia Paiva - último boticário da família, devidamente diplomado (pode-se ver o Diploma no livro (*)), não reconhece na fachada a razão da referência à figura de Galeno. Tem sido ponto assente que a figura com um manuscrito em que se reconhece de forma destacada a palavra "Sócrates", é o próprio filósofo Grego. Assim sendo, quando muito poder-se-ia tolerar que se optasse ou por Hipócrates ou por Galeno para identificar a outra figura. De qualquer modo, pelo conjunto da figura, penso que não haverá qualquer dúvida em o identificar como Hipócrates, unânimemente aceite como o pai da Medicina.
Entretanto, estou a envidar esforços no sentido de indagar das razões oficialmente invocadas para se inscrever essa alusão na placa explicativa que está no Largo da Sé.
As figurações da fachada em análise são, de há muito e em muitos escritos sobre a matéria, alusivas a Sócrates e a Hipócrates.
Assim sendo seria de toda a urgência que se tornasse mais explícito o texto da placa que tem estado na origem desta contestação. Seria importante que as entidades mais responsáveis (Câmara Municipal, Junta de Freguesia e até a própria Região de Turismo) se debruçassem sobre este assunto, para que os turistas que visitam Leiria e a população em geral, pudessem ser informados duma forma o mais fidedigna possível.
... (agradecem-se contributos para o cabal esclarecimento deste tema...)
-
(*) Ver "José Teles de Almeida Paiva - 1917-1994 - Uma Vida, uma Época, uma Cidade" - Ed. Folheto - 2004
António Nunes e Zaida Paiva Nunes
(**) Também se pode ler o livro – “ALERTA, LEIRIA” , Edição do Agrupamento Nº 127 do CNE - Sé de Leiria. Pode ser consultado na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira.
(a) Segundo as informações que nos chegam dos tempos da Antiguidade, Esculápio era representado como um homem sério e apoiado num bastão no qual se enrolava uma serpente. Estes símbolos passaram a representar toda a escola hipocrática e, ainda hoje, são de uso corrente.

Largo da Sé de Leiria


(clic para ampliar)
Legenda, de cima para baixo, da esquerda para a direita:
1) Memorial da Sé de Leiria e das suas envolvências;
2) Pormenor da parede lateral Sul;
3) Chão do lado Sul do Adro da Sé; repare-se nos frutos de árvore "melia azedarach" que estão a cair nesta altura (os da floração do ano passado);
4) Mais um aspecto da parede Sul da Sé.
Pormenores da fachada da Pharmácia Leonardo Paiva podem observar-se na entrada imediatamente a seguir.
Posted by Picasa

Monday, June 18, 2007

Crista de Galo - Árvores de Leiria


Esta árvore há-de constituir uma evocação duma outra do mesmo género que aqui viveu nos tempos em que esta zona era ocupada pelo paço do Bispo de Leiria, edifício e jardim. A zona do jardim estava protegida dos olhares do vulgo por um muro de cerca de 3 metros de altura. Sou testemunha de que havia, intra-muros, um belíssimo jardim, por uma razão muito simples. No decorrer das campanhas de propaganda político/eleitoral, no período pós 25 de Abril, cheguei a empoleirar-me algumas vezes nesse muro (tinha eu 20 e poucos anos), com a ajuda de escadas, quantas vezes feitas com as mãos de outro "camarada", para ajudar a prender numa árvore desse jardim, uma das pontas da faixa em pano, que era esticada sobre a Avenida (continuação da actual Av. Mouzinho de Albuquerque) e actual zona empedrada/pedonal/trânsito automóvel/jardim/estátua Papa Paulo VI/ex-ainda Largo 5 de Outubro de 1910). A outra ponta prendia-se num choupo, uma das várias árvores que ali havia e que foram derrubadas por via da requalificação(?!) da área. Na minha opinião, não havia necessidade de se terem derrubado aquelas árvores. Porque é que as árvores é que são sacrificadas quando se desenha uma requalificação urbanística?!
Para quem tiver dificuldade em localizar esta árvore (ainda arbusto) basta lembrar-se duma referência, Zara, que é quase obrigatória para quem circular nas imediações do Jardim Luís de Camões, em Leiria.
-
nota: aqui temos um exemplo de como seria possível promover a identificação das árvores, pelo menos as mais significativas e simbólicas, que co-habitam connosco em Leiria.
Posted by Picasa

Saturday, June 16, 2007

Carlos Barão - exposição de Pintura em Leiria


Bem tenho barafustado contra o uso de faixas publicitárias a tapar parte da fachada do edifício(*) do ex-Banco de Portugal, em Leiria.
Creio que tenho que desistir.
Além do mais, uma coisa é certa. Mesmo com todas estas chamadas de atenção, são poucas as pessoas que aderem às iniciativas deste tipo. Será que a cultura em geral é só para as elites? Será que a população em geral não é sensível ao "Belo"?
Que fazer? Será que não se está a conseguir incutir o gosto pelas Artes nas Escolas, logo desde os primeiros passos?
Quem é Carlos Barão e qual é o seu estilo de pintura? Visitei esta exposição, como o faço com todas as que passam por estas instalações. Não sendo expert na matéria desta exposição não me poderei alongar em grandes considerações acerca do estilo e da pintura de Carlos Barão. Mas gostei de tomar contacto com os motivos, técnicas e estilos utilizados pelo autor.
Uma reflexão, em jeito de título para um dos trabalhos expostos (que tentei fotografar mas que não sabiam se me podiam conceder essa autorização) me ficou a bailar no cérebro: "O "Belo" não é uma imagem. É fantasia unida ao afecto."
Mais informação poderá ser obtida no local desta exposição e
aqui. O site da Câmara Municipal de Leiria é demasiado sintético, diria mesmo, extemamente parco, na apresentação desta exposição. Penso que seria útil colocar mais e melhor informação aquando da apresentação de determinados eventos de interesse público, como seria o presente caso.
(*) ver uma das próximas entradas neste blogue. (ter em conta que a concepção deste edifício esteve a cargo de Ernesto Korrodi)
Posted by Picasa

Friday, June 15, 2007

Vai-te embora ó ferro velho!

(clic para ampliar)

Ao cimo da "Calçada do Bravo" (ou Rua Paulo VI, mas para nós, em Leiria, há-de ser sempre a calçada do bravo). Ferro velho em extinção. Finalmente!

Em fundo, o Castelo de Leiria e o monumental desastre do Estádio Dr. Magalhães Pessoa!

-Posted by Picasa

Thursday, June 14, 2007

Hortênsias no meio do temporal

Hoje, logo pela manhã. Chove a cântaros. Mas as Hortênsias estão aí, para amenizar.

...
Também há no continente
esta flor maravilhosa.
No Norte chamam-lhe hidrângea.
Branca, azul, lilás ou rosa.

(Rosa Lobato Faria)

(clic para ampliar)
15-6-2007
E mais me apetece dizer:
Tenho vindo a sentir que este meu blogue tem sido como que uma benesse/estímulo para mim próprio, na medida em que, tendo-o eu intencionalmente orientado no sentido do disperso, do ensaio, das variações sobre temas dispersos, tenho vindo a tomar consciência (nunca é tarde de mais) de questões e saberes que me passariam mais ou menos ao lado, muitas vezes nem me apercebendo da sua existência e da sua importância.
Sem dúvida que a Vida também é feita de pequenos Nadas, que afinal, são, muitas vezes, Grandes razões da nossa própria existência.
Uma coisa, entre outras, aprendi: que no Norte chamam hidrângeas às hortênsias, aliás o seu próprio nome científico.
"Caro jovem amigo: Deus é a Natureza!" - dizia-me, no decorrer de intermináveis conversas esotéricas, um amigo já idoso, que eu conheci enquanto estudante no Porto (anos 60). E eu a esforçar-me por lhe rebater esta ideia, a minha mente ainda sob a influência intensiva e tradicional da catequese católica, desde criança. Que não, Deus é Deus, ponto final.
Ainda hoje estaríamos a conversar sobre este assunto, não era, snr Rogério?...
O meu amigo Al Cardoso comentou da influência da qualidade da terra na coloração das flores das hortênsias. Agradeço a atenção, mas a Zaida já me tinha ensinado esse pormenor. É que eu sou um simples ajudante de jardineiro, um eterno aprendiz.
Obrigado "gaivota" por este voo Atlântico desde a Ilha Terceira. Os versos publicados estão integrados num poema que fala e canta, essencialmente, a beleza das hortênsias dos Açores.
...
-
* Ver Actualização ao post anterior
** 2ª actualização: mesmo nas traseiras do monumento evocativo a Santo António referido no post anterior houve, hoje, um deslizamento de terras do qual resultaram 2 vítimas mortais.
Posted by Picasa

Tuesday, June 12, 2007

Santo António - de Lisboa e de Leiria

Comprei este livrinho num alfarrabista em Lisboa, há menos de um ano. O seu conteúdo é muito interessante, tendo em conta, não só o texto, mas também as belíssimas reproduções de obras de Santo António, em papel couche da melhor qualidade.

Dentre essas reproduções realço as da foto abaixo:

.
.
.
.
.
. .
.
.
Coincidências:
-Nasci em 1947;
-No preciso dia 13, de Santo António, em 1969, faltava 1 minuto para a meia-noite, era Sexta-Feira, embarquei de avião, rumo a Moçambique, a cumprir o serviço militar obrigatório;
-O Dia da Freguesia de Leiria é 13 de Junho(1), desde 2003;
-Precisamente neste dia, em 2004, comecei a escrever o meu livro "Caminhos Entrelaçados na Freguesia da Barreira - Leiria", dado à estampa em 2005.

-

Notas acerca das ligações históricas e emocionais, a Leiria, da figura de Santo António de Lisboa:
............. .

(clic nas fotos para ampliar)

Esta evocação pode apreciar-se na Rua de Santo António, em Leiria, no morro Nordeste, junto ao cemitério Municipal, sobranceiro ao Centro Histórico da cidade, ao fundo a fileira de imponentes plátanos a bordejar o Rio Lis.

Neste local existiu uma capela dedicada a Santo António, conforme se pode constatar na legenda do painel ao lado.
(1) As razões justificativas da escolha de 13 de Junho para Dia da Freguesia de Leiria não receberam a unanimidade dos Leirienses mas foram aprovadas em Assembleia de Freguesia. A polémica então levantada passou por uma intervenção na Assembleia Municipal e por vários artigos escritos na imprensa regional. Note-se que a escolha deste dia não tem directamente a ver com o facto deste ser o dia de Sto. António mas por ser neste dia do ano de 1545 que D. João III decretou a elevação de Leiria a cidade.
(2) Leia-se: "Junta de Freguesia de Leiria - Percursos de uma Instituição" - Saul António Gomes, Maria da Luz Moreira e Carla Vidal, Folheto Edições 2003.
ACTUALIZAÇÃO em 14/6/2007:
* Podem obter-se mais informações relacionadas com a figura de Sto. António e a zona da Capela acima referenciada aqui
-
ACTUALIZAÇÃO em 29/6/2007:
Recebi um e-mail, há já uns dias, largos, do meu recente e-amigo Augusto Mota, com uma imagem interessantíssima a respeito deste post:
"Comprei esta tábua pintada na Nazaré, nos anos 70, numa loja de artesanato de classe e lá me informaram que as várias pinturas do género eram feitas por um senhor reformado. Portanto isto não é um ex-voto, nem nenhuma antiguidade. Comprei por curiosidade. O resto das pinturas era castelos da nossa zona e o milagre da Nazaré.
Depois me informaram que, na viagem de Lisboa para Coimbra, o santo já cansado de levar o menino ao colo o fizera andar pelo seu pé. A legenda desta tábua é curiosa, porque não sabemos se o santo está cansado de Leiria, se quando passou por Leiria já estava cansado de levar o menino ao colo!!!"
(pode-se ver a imagem em "dentrodetioleiria")

Sunday, June 10, 2007

PORTUGAL - O Estado somos todos nós

Pátria

Serra!
E qualquer coisa dentro de mim se acalma…
Qualquer coisa profunda e dolorida,
Traída,
Feita de terra
E alma.

Uma paz de falcão na sua altura
A medir as fronteiras:
- Sob a garra dos pés e fraga dura,
E o bico a picar estrelas verdadeiras…
................................................................................
Gerês, Pedra Bela, 20 de Agosto de 1942
Miguel Torga
-
sem esquecer CAMÕES, no dia que oficialmente se convencionou passaria a ser o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.
- Uma modesta forma de participar das comemorações do 100º Aniversário do seu nascimento.
Contributo de um Beirão da Beira Alta, tão Leiriense como os que o são... que se orgulha de ser PORTUGUÊS!

Wednesday, June 06, 2007

Amieiros do Lis e do Lena


Um amieiro (alnus glutinosa) junto à ponte dos Caniços, em Leiria. Muitas outras variedades de árvores se podem apreciar naquela zona do rio, no seu próprio leito, em tempo seco e nas suas margens: salgueiros, amieiros, choupos, plátanos, freixos e outras, até pinheiros.
Toda a zona marginal do Rio Lis(*), desde S. Somão até às Almoinhas, passando pelo centro ribeirinho da cidade, foi alvo de obras de requalificação no âmbito do chamado "Programa Polis". Ao longo de todo esta marginal foram construídas vias e pontes pedestres (ao mesmo tempo ciclo vias, talvez seja de regular a difícil convivência entre estas duas vertentes de fruir os tempos livres) que estão a começar a ser muito procuradas pela população. Também foram instalados muitos bancos de jardim estrategicamente colocados de modo a que as pessoas possam apreciar o leito do rio, em dois pontos da cidade transformados em autênticos lagos/espelhos de água.
O resultado é deslumbrante! Para já!
Asim a água não falte ao Lis!...E se preservem outras vertentes ambientais, de modo a que a Natureza não nos desampare!...
-
(*) Também no Rio Lena. O Lis e o Lena correm, de mansinho, um ao encontro do outro, até que se abraçam e fundem-se, num só, à entrada das terras de Ulmar. E lá vão, os dois, juntinhos, num derradeiro devaneio esforçado, até ao mar da Vieira!...
-
...
Rio que se fez tinta,
em versos para sempre repetidos
por ventos nas ramadas dos salgueiros,
por gemidos nas noras embaladas.
...
Lis & Lena (Saga Imaginária)
Ed. Folheto 2007, ISBN 978-972-8821-77-7
Luís Vieira da Mota
Posted by Picasa